Política

O cristão diante dos seus compromissos assumidos perante a comunidade a qual se encontra, compromissos estes que devem ser primeiramente com a própria consciência, que registra a necessidade de reparo e regularização com as leis divinas, deve também estar atento ao contexto social, seja no âmbito local, estadual, nacional e até mesmo internacional.

Todos estamos conectadosNão só, os ensinamentos dos Espíritos, que têm nos esclarecido que jamais nos encontramos sozinhos, onde quer que seja, assim como as próprias leis da ciência humana, que nos falam da interconectividade universal, ou seja, estamos todos interligados, seja como seres humanos, seja com os demais reinos da natureza e do Universo, todos estamos em plena conexão, não havendo, portanto, ninguém que possa existir como ilha, isolado e solitário, como se Deus tivesse criado seres privilegiados ou condenados, excluídos do meio geral.

Essa certeza e constatação acaba por nos mostrar o dever que todos temos com tudo o que nos acontece, enquanto sociedade organizada. Infelizmente, o que ocorre em geral, são as queixas e transferências de responsabilidades àqueles que estão em erro, como se não tivessem recebido direta ou indiretamente a contribuição dos demais para cometerem seus desvios de conduta.

Nos referimos particularmente à realidade política nacional a qual estamos vendo em nosso país, totalmente chafurdada e atolada na corrupção sistêmica e endêmica, que a nação se deixou permear. Homens e mulheres que diante do poder de mando, se deixaram conduzir por verdadeiros desmandos, acabando por formarem verdadeiras organizações criminosas sob o manto das leis que eles próprios insistem em regulamentar como forma de legalizar o crime.

Também somos responsáveis e o que ocorre hoje, é a consequência da nossa inércia e transferência absoluta de responsabilidades para pessoas que, ao saberem-se que têm a liberdade para agir, acabam por abusar e locupletar-se de tudo o que podem, em detrimento do restante do povo.

Vejamos o que nos diz a Terceira Parte de O Livro dos Espíritos – AS LEIS MORAIS, Cap. I, questões:

639 – Não sucede frequentemente resultar o mal, que o homem pratica, da posição em os outros homens o colocam? Quais, nesse caso, os culpados?

Resposta: “O mal recai sobre quem lhe foi o causador. Nessas condições aquele que é levado a praticar o mal pela posição em que seus semelhantes o colocam, tem menos culpa do que os que, assim procedendo, o ocasionaram. Porque, cada um será punido, não só pelo mal que haja feito, mas também pelo mal a que tenha dado lugar. ”

Povo BrasileiroÉ preciso lembrar que estes homens e mulheres saíram do próprio povo, que foram educados nesta mesma sociedade a qual todos recebem praticamente a mesma educação. Assim, é preciso reconhecer que o mal da corrupção está instalado desde as bases em todos os círculos humanos de nosso país, pois ela existe mesmo nas pequenas oportunidades que surgem para aqueles de caráter menos firme e de moral frágil, alguns diríamos, até ingênuos às vezes, mas nem menos por isso inconscientes de seus erros.

Lembremo-nos, por exemplo a Alemanha Nazista de Hitler. Como ele chegou aonde chegou? De que forma aquele homem conseguiu conduzir praticamente toda uma nação à guerra e ao genocídio te tantos outros irmãos? Ora, certamente não sufocou as vozes dos seus conterrâneos, ou hipnotizou-os de forma a seguir suas ordens e determinações. Foi preciso que parte daquela nação lhe outorgasse o poder, a liberdade para agir, pois estavam todos sob a mesma lei de afinidades: Hitler representava todos os anseios e desejos (ocultos para muitos) conscientes ou inconscientes de parte da nação e estes por sua vez tornaram-se tão ou mais responsáveis do que o próprio ditador, pelos crimes cometidos contra os judeus e outras minorias.

A Psicologia Espírita nos fala sobre Consciência Coletiva que nada mais é do que o somatório das tendências, anseios, hábitos e costumes, individuais, de um povo, uma nação ou um grupo de pessoas. Essa consciência reflete exatamente a conduta do todo e naturalmente atrai tudo aquilo que é gerado pelos pensamentos e atos, daqueles que integram esse todo. Evidentemente que estamos nos referindo à maioria das pessoas que formam essa consciência coletiva, sabedores que somos de que há, em menor número, aqueles que já despertaram verdadeiramente para uma nova conduta no que se refere à ética e a moral.

Ainda dentro da Psicologia, Joanna De Ângelis esclarece sobre o fenômeno da “massificação”, onde somos bombardeados pelas informações e o conhecimento de muitas ocorrências simultaneamente, através dos veículos de comunicação – nem sempre fiéis à exatidão dos fatos, supervalorizando-os, e objetivando o sensacionalismo ou influenciar o grupo, o todo ou parte dele. Lembremos por exemplo a propaganda nazista, extremamente eficiente para os objetivos de Hitler e seus asseclas. Um povo massificado é um povo facilmente conduzido e sob controle.

Massa HumanaO indivíduo dentro da massa, perde aos poucos a própria individualidade, por se deixar induzir e influenciar pelos movimentos da maioria, submetendo-se às convenções do grupo maior, como consequência, desumaniza-se, ou seja, todo o mal que lhe ocorre à volta, passa a ser visto como normal, instituído que está no contexto geral, sendo que já não se sensibiliza com o sofrimento, a injustiça e a dor, que atingem aqueles que lhe partilham a existência.

No que diz respeito ao nosso momento atual no Brasil, parece-nos que estamos tão massificados, que vemos como algo normal e, até mesmo como cultural, a corrupção e os abusos no ponto culminante que atingiram, aceitos pela grande massa como praticamente uma lei (imoral) que corrobora as atitudes malsãs por parte daqueles que exercem o poder. Quando assim procedemos, somos também responsáveis pela geração do câncer moral que atinge toda a nação brasileira.

Quando o indivíduo se deixar levar e conduzir por líderes, ditos, populistas, ícones humanos na visão estreita e obnubilada dos que se encontram ainda em estado de sono, sofremos todos as consequências de um mal maior, resultado da irresponsabilidade e fuga aos deveres, reflexos do estágio em que nos encontramos ainda, nos planos moral e ético.

Nas palavras de Joanna, encontramos um resumo, do que nos acontece, quando somos alienados e indiferentes ao nosso papel social e humano, dentro da coletividade:

“A massa humana, como ser grupal, é destituída de alma, de sensibilidade. Em sua marcha voluptuosa avassala, deixando escombros físicos e psicológicos por onde passa. Porque seus membros perderam a capacidade de ser indivíduos, estouram a qualquer voz de comando, arrastados pelos que os seduzem, e assim agem, para não ficarem esmagados. Os seus tornam-se os interesses coletivos, e tudo é programado, extinguindo no homem a espontaneidade, que lhe expressa a individualidade, o nível psicológico e de consciência no qual se encontra.

Inércia e indiferença, não nos fazem indenes ás leis morais estabelecidas por Deus e que se encontram ínsitas na consciência individual. Cada um sabe que deveria agir, posicionar-se e ter a coragem de manifestar-se contra esse mal corruptivo que devora a vida à médio e longo prazo, de milhares de pessoas que poderiam viver em condições mais dignas e até mesmo usufruir de um conforto maior no que se refere às questões de saúde e qualidade de vida.

Para isso, entretanto, é necessário que as nossas ações, sejam desde cedo, voltadas para a retidão de comportamento, sem negligenciar com a dita “oportunidade que faz o ladrão, o corrupto”, pois é nas pequenas coisas que já mostramos ou não a nossa tendência para agirmos no mal ou no bem.

Mais do que nunca precisamos de educação, em todos os níveis, não essa educação superficial e aparente, existente na sociedade ainda hipócrita e insensível à tragédia moral que nos cerca e nos acompanha, do nascimento à morte.

Crianças Felizes

Uma nova educação é preciso, uma que realmente possa atingir os objetivos da vida maior, a qual precisará ser estabelecida em bases mais profundas, onde o ser espiritual possa ser reconhecido e trabalhado como ser integral que todos somos, enquanto encarnados sobre a Terra. Uma Educação que busca a verdade sobre a vida transcendente, a vida além do corpo físico e por isso mesmo submetida ás leis maiores do Pai, ação e reação, causa e efeito, enfim, as Leis Morais, conforme está em O Evangelho Segundo o Espiritismo.

Muita Paz!

 

Referências Bibliográficas:

KARDEC, ALLAN – O Livro dos Espíritos, Terceira Parte, Cap. I – Da Lei Divina ou natural

FRANCO, DIVALDO – Amor, Imbatível Amor – Cap. 7, Tormentos Modernos – Espírito Joanna De Ângelis

 

 

 

 

SOMOS TODOS… RESPONSÁVEIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *