Universo

Queridos leitores… convido-os à uma pequena reflexão, a partir de agora:

“Como se sentem neste momento? Quando você amigo ou amiga, começa a ler estas linhas, imagino que sinta-se interessado em conhecer algo mais, novo de preferência. Pois bem, então vejamos algumas questões:

 

  • Como é sua existência atual?
  • Como se sente em relação à vida?
  • O que você entende por vida, realmente?
  • Você tem objetivos para o hoje? E para o amanhã?…
  • E o que você pensa em relação à morte? Ao desencarne?
  • Preocupa-se pelo fato de saber que em algum momento irá desencarnar?

É bem provável que algumas destas questões, todos nós procuramos evitar, outras porém, não saem de nossa mente. Porque?

Nos encontramos tão mergulhados na vida da matéria – e isso de certa forma é natural – que nos esquecemos que antes de mais nada, na essência, somos todos espíritos, cujas origens não se encontram no lugar que ocupamos no atual momento. Temos a data e horário exatos de quando aqui chegamos (embora nem todos têm esses registros) mas não sabemos nada a respeito de quando iremos partir. Isso de alguma forma nos aflige, em alguns momentos.

Precisamos então buscar alguma compreensão a respeito de nós mesmos como seres criados além da matéria, da forma como a concebemos, caso contrário continuaremos tão mergulhados no pequeno oceano da vida corporal, efêmera e tão passageira, que nos perturbaremos a medida que nos distanciarmos de nossas verdadeiras origens, como seres espirituais que todos somos.

Talvez por isso Allan Kardec, tenha dedicado oito questões iniciais a respeito da origem dos espíritos, na Parte Segunda, Cap. I de O Livro dos Espíritos.

Inicialmente na questão 76, os Espíritos Superiores respondem ao Codificador, dizendo que “os espíritos (nós – lembremos sempre disso, Seres Inteligentes da Criaçãoporque é importante e faz muita diferença) são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.” Somos individualidades, como explica Kardec na nota que acompanha a resposta.

Sabedores deste conceito a respeito de nós mesmos… convido-os à voltarmos ao início deste texto, nas duas primeiras questões que propusemos. Então: Que nos parece? Somos os seres inteligentes de toda a criação, e como nos sentimos em relação à esta breve passagem (vida) em nossa atual existência? Se estamos bem, maravilha, vamos em frente aplicando esse atributo denominado inteligência que Deus nos concedeu.

Mas e caso não estejamos tão bem assim… se estamos imersos em verdadeiro vendaval de dificuldades, como por exemplo: doenças, relacionamentos, dificuldades financeiras, perdas de pessoas amadas, ou seja o que for que esteja nos pondo ladeira abaixo, como se diz no dito popular? Bem… lembremos então: somos os seres inteligentes da criação. Dando-nos conta disso poderemos vencer estas dificuldades de uma forma muito melhor. Mas tem mais:

Na questão seguinte, 77, dizem os Espiritos à Kardec: “Somos filhos de Deus, pois somos Sua obra!” Então, e agora? Além de sermos os seres inteligentes, somos também filhos Daquele que tudo criou. Será que somos fracos e fadados à sermos derrotados pela “vida”? Há uma passagem no Evangelho Segundo o Espiritismo em que Jesus noz diz que sendo Deus Bom e Justo não deixa faltar o alimento e o obrigo aos pássaros, quanto mais ao homem seu filho, sua obra.

Bom, já temos dois bons motivos para nos sentirmos mais fortes e corajosos diante de qualquer desafio ou dificuldade que neste momento estejamos enfrentando, sem titubear, deixando de lado a posição cômoda de vítimas que tanto nos apraz muitas vezes. Hora de lutar e resgatar os seus objetivos para o hoje e para o amanhã, mesmo sabedores que em algum momento… chegará o momento de retorno, sendo que esta certeza não pode impedir a continuidade de nossas ações enquanto seres encarnados em plena experiência evolutiva. Sabem porque?

Deixando as próximas cinco questões que falam sobre como fomos criados e naturalmente convidando-os a lerem oportunamente, vamos direto à última questão, 83: Os Espíritos têm fim, pergunta Kardec: “A existência dos Espíritos não tem fim…” respondem os Espíritos, resumidamente.

Espirito EternoSomos eternos… que maravilha, já pensaram nisso? E agora? Ainda nos encontramos preocupados com o desencarne ou morte, como queiram? Continua nos importando saber quando iremos morrer?

É bem provável que para muitos de nós, isso já não nos imponha tanto medo e receio, porém para outros isso é uma verdadeira tortura psicológica. Quanta saudade daqueles que partem antes de nós, o que iremos encontrar quando partirmos ou quem iremos encontrar e… será que vamos continuar? São questões que minam as resistências psicológicas e mentais de muitos irmãos, infelizmente.

A cada dia ficam mais que comprovados os postulados espíritas, sejam pelas evidências da vida após a morte através dos testemunhos daqueles que nos antecederam na jornada aqui na Terra, sejam pelos fatos e evidências científicas que se renovam a todo momento, dando provas cabais da existência do ser inteligente além das fronteiras materiais (matéria a qual conhecemos, na sua forma sólida e palpável, pois na verdade tudo no Universo é matéria, sendo o que difere é somente a maneira como esta é encontrada em diversos pontos deste Universo).

Muitos leem e talvez até releem as obras de Kardec, porém deixam passar despercebidos as mensagens ocultas em cada termo, em cada frase, seja na forma de pergunta ou resposta,  onde as Inteligências Superiores nos dão informes do que somos e de nossas origens como seres extra-corpóreos, filhos de Deus, eternos, fadados à felicidade, mas que em plena luta redentora num plano de provas e expiações. Assimilando com compreensão e entendimento estas informações estaremos em melhores condições de enfrentar as dificuldades que toda luta impõe, seja na adversidade de uma doença, nos desafios existenciais da atualidade, em forma de desemprego, relacionamentos difíceis, falta de dinheiro, violência e outros tantos que nos abalam psicológica e mentalmente como falamos anteriormente.

Como seres inteligentes somos capazes de realizar tudo o que desejarmos, desde que alicerçados em vontade e ação, acima de tudo. Precisamos confiar antes de mais nada nesse Deus, Pai de Amor e Bondade, que jamais nos deixa desamparados. Além Dele, temos o Mestre de nossas vidas, Jesus que nos acompanha e nos convida à todo momento, prosseguirmos intimoratos rumo à nossa própria libertação dos séculos de escravidão no que se refere aos instintos primários, ao comodismo e à inércia que muitos de nós infelizmente ainda nos encontramos.

Novo dia

Não importa a idade ou o lugar onde nos encontramos, sempre será possível por em prática novos planos ou até mesmos aqueles que em algum momento, deixamos de lado. Viver sempre será uma grande experiência que deve ser intensificada a cada momento, sempre de forma a nos elevar sobre nós mesmos, criando novas metas e objetivos nobres, acima de tudo, que visem não somente o nosso progresso e bem-estar, mas também melhorar a situação daqueles que ainda não despertaram para a realidade desta vida.

Lembremos acima de tudo que a vida é  integral, porque inicia a partir do momento em que fomos criados como seres simples e ignorantes, e que se desenvolve, seja na matéria física, na condição de encarnados, ou na situação de espíritos que povoam o Universo criado por Deus.

 

Muita Paz!

Siga-nos e curta nas redes sociais.
NOSSA ORIGEM, NOSSA NATUREZA…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou do Blog? Compartilhe!